domingo, 12 de setembro de 2010

ESTILOS DE EVANGELISMO Pr. Fernando Lojudici

1. Você foi feito para uma missão.
João 17.18
Do mesmo modo que me deste uma missão no mundo, eu dei a eles uma missão no mundo.
Atos 20.24
Mas eu não dou valor à minha própria vida. O importante é que eu complete a minha missão e termine o trabalho que o Senhor Jesus me deu para fazer. E a missão é esta: anunciar a boa notícia da graça de Deus.

2. Sua Missão é uma Continuação da Missão de Jesus terra.
Como seus seguidores, devemos continuar a que Jesus começou. Jesus não nos chama apenas a ele, mas também para ir por ele.

3. O valor de sua missão é eterno.
As conseqüências de sua missão irão durar para sempre, mas as conseqüências de seu emprego não. Nada que você faça pode ser mais importante que ajudar as pessoas a estabelecer um relacionamento eterno com Deus.

4. Sua missão traz significado para sua vida.
William James disse: "O melhor uso que se pode dar a vida é emprega-Ia em algo que sobreviva a ela".

-Para muitos cristãos, evangelizar é apenas uma obrigação bíblica desagradável. -Muitos evangelizam motivados pelo sentimento de culpa: "Se eu não evangelizar, Deus vai cobrar de mim". Isso se transforma em apenas um desencargo de consciência.
É triste, mas alguns não querem ganhar as almas, querem apenas torná-Ias indesculpáveis.

Contudo, o evangelismo, como Deus planejou, não pode ser motivado pelas razões acima.

-Temos que ter encargo de modo genuíno - como sacerdotes -, de nos colocarmos na brecha pela salvação de vidas.
-Deve ser uma reação natural. Nosso coração deve estar cheio, porque a “boca fala do que o coração esta cheio”.

Jesus disse em Lc. 6.45: "O homem bom, do bom tesouro do coração tira o bem e, o homem mal. Do mal tesouro tira o mal, porque a boca fala do que o coração está cheio”.

Então, para um crente cheio do Espírito, evangelizar não é uma ordem, é uma atitude quase inevitável.
Como eu posso me refrear de falar do que esta no meu coração? Como é possível que eu me cale, se meu coração esta cheio disso?
Alguns acham que evangelismo e uma pregação bíblica; mas, de acordo com a mente do Senhor, evangelismo e externar do que o nosso coração está cheio.
Mas este é o problema: Alguns tem o coração cheio de outras coisas, porque aquele que está com o coração cheio do Senhor, quando conversar com alguém, inevitavelmente vai falar das coisas espirituais.
Evangelizar deveria ser algo espontâneo. Para alguns, porém, é quase uma neurose.
Na medida em que eu estou cheio dEle, o assunto do evangelho vai sair naturalmente quando eu estiver conversando.

Pessoas extrovertidas são usadas por Deus, mas pessoas introvertidas também são. Tanto aqueles mais simples como os mais intelectualizados são úteis. Não precisamos nos violentar tentando ser ou agir de uma forma extravagante. Podemos ser muito frutíferos exatamente como somos.

ESTILOS DE EVANGELISMO


1 - 0 ESTILO CONFRONTADOR DE PEDRO
Em sua primeira pregação, Pedro confrontou os judeus dizendo que foram eles que crucificaram o Senhor Jesus:

Respondeu-Ihes Pedro “Aos Judeus”: Arrependei-vos, e cada um de vós seja batizado em nome de Jesus Cristo para remissão dos vossos pecados, e recebereis o dom do Espírito Santo. (At 2.36-38)

Pedro era um homem de ação era sempre o primeiro a falar, se mover e reagir. Foi ele quem andou sobre a água, foi ele quem decepou a orelha de um servo no Getsêmani. Ele era impetuoso.
Aqueles que possuem o estilo de Pedro são agressivos. Rapida¬mente expõem o evangelho e exigem uma resposta imediata. Não são pessoas diplomáticas, cheias de colocações cuidadosamente elaboradas; antes, se expressam de forma contundente e direta. Normalmente, aqueles que possuem o estilo confrontador de Pedro geram frutos mais rápido, mas também são eles que experimentam as maiores resistências e rejeições explícitas.
Não é uma questão de certo ou errado, e sim uma questão de estilo. Se você é como Pedro, fique em paz. O Senhor vai enviá-lo justamente para aqueles que precisam ouvir o evangelho por meio da confrontação.

2 - ESTILO INTELECTUAL DE PAULO
Normalmente Paulo utilizava seu estilo intelectual para evan¬gelizar, pois era muito culto, extremamente inteligente e capaz de arrumar argumentos irrefutáveis. Pessoas desse estilo normalmente gostam de fazer apologia da fé defesa do evangelho, e não se importam de se envolver em debates e discussões intelectuais.
São grandes conhecedoras da Bíblia e não se sentem intimidadas quando questionadas, pois sempre têm preparada uma resposta apropriada.

Sua estratégia de evangelismo preferida é deixar o outro encurralado, sem alternativa a não ser se posicionar a respeito de Cristo.
Certa vez, em Atenas, Paulo engenhosamente usou o altar ao deus desconhecido como forma de apresentar o evangelho.
Porque, passando e observando os objetos de vosso culto, encontrei também um altar no qual está inscrito: AO DEUS DESCONHECIDO. Pois esse que adorais sem conhecer é precisamente aquele que eu vos anuncio. (At 17.23)

Não é fantástico? Paulo usou como isca o altar ao deus desco¬nhecido para dizer aos gregos que o Senhor era justamente esse que eles desconheciam. Os gregos eram muito religiosos e adoravam milhares de deuses, mas temendo que algum deus desconhecido pudesse se irar contra eles, fizeram-Ihe urn altar.
Se Fosse Pedro pregando ali talvez ele dissesse: "Idólatras! Vocês precisam se arrepender! Por detrás desses ídolos existem demônios".
Certamente o que ele diria seria correto, mas creio que não era o estilo mais apropriado para evangelizar aqueles atenienses intelectualizados.
-Algumas pessoas precisam de uma apresentação do evangelho mais persuasiva e acadêmica. Elas não se deixam ser confrontadas, precisam ser persuadidas.
Não precisa¬mos questionar qual estilo é mais eficiente, mas precisamos apenas saber qual será mais apropriado para determinada circunstância ou para determinado grupo de pessoas.

3 - O ESTILO DO TESTEMUNHO DO CEGO (Cego que foi curado por Jesus)
O Senhor passou saliva nos olhos dele e mandou que ele fosse se lavar no tanque. Quando o cego se lavou, passou a enxergar. Então, os fariseus o chamaram e o questionaram a respeito de quem o havia curado. O cego não tinha visto Jesus, pois só começou a enxergar depois que se lavou no tanque, dai a sua resposta emblemática:

"Quem ele era eu não sei, só sei que era cego e agora vejo" (Jo. 9.25).

"lsso eu ainda não sei, só sei que era drogado e fui liberto"; "Só sei que era embriagado e agora fiquei lúcido"; "Só sei que era libertino, mas agora sou um marido fiel".
Esse é o melhor tipo de testemunho porque contra fatos não há argumentos. As pessoas podem ter muitas considerações a res¬peito da igreja e da Bíblia, mas elas não têm alternativa a não ser reconhecer que aquela pessoa foi transformada.
Este tipo de evangelista não confronta nem intelectualiza. Ele apenas conta a história daquilo que Deus fez em sua vida.
-A única condição para esse estilo: É ter uma experiência real de cura, liber-tação ou transformação. Devemos apenas testemunhar daquilo que o Senhor fez em nossa vida e dasafiar as pessoas a terem a mesma experiência.

Seria bom se cada crente escrevesse o seu próprio testemu¬nho para se familiarizar com ele de forma a apresentá-Io com clareza e objetividade.

4 - O ESTILO DO COMPARTILHAMENTO DA FE DO GADARENO (Marcos 5.1-20)
Depois que ele foi liberto, implorou a Jesus para seguir com Ele, mas o Senhor mandou que fosse para casa e testemunhasse para sua própria família.
Ao entrar Jesus no barco, suplicava-Ihe o que fora ende¬moninhado que o deixasse estar com ele. Jesus, porém, não lho permitiu, mas ordenou-Ihe: Vai para tua casa, para os teus. Anuncia-lhes tudo o que o Senhor te fez e como teve compaixão de ti. (Mc 5.18-19)
Alguns não consegue abordar um desconhecido para apresentar um testemunho. Mas, nem por isso, estão liberados da responsabilidade de testemunhar. Essas pessoas podem compartilhar a fé com a sua família.

5 – O ESTILO RELACIONAL DE MATEUS
Passadas estas coisas, saindo, viu um publicano, chama¬do Levi, assentado na coletoria, e disse-Ihe: Segue-me! Ele se levantou e, deixando tudo, o seguiu. Então, lhe ofereceu Levi um grande banquete em sua casa; e numerosos publicanos e outros estavam com eles à mesa. (Lc 5.27-29)
O estilo de Mateus aponta para aqueles que são conhecidos, profissionais admirados e reconhecidos por sua competência. Mateus era um coletor de impostos e como tal possuia inúmeros amigos.
Vemos que ele organizou uma grande festa para todos os seus colegas. O interessante é que Mateus não fez uma reunião religiosa. As pessoas não são atraídas para uma cerimônia religiosa, mas se abrem para uma festa na sua casa.

Comermos um bom churrasco, por exemplo. Este é o estilo que prioriza nossa rede de relacionamentos.


6 - 0 ESTILO DO CONVITE DA MULHER SAMARITANA (João 4)
Depois de encontrar o Senhor, ela foi até a cidade e convidou as pessoas para virem também ouvir e conhecer Jesus. A samaritana foi uma evan¬gelista de convite. O seu estilo era simplesmente convidar.
Quanto a mulher, deixou o seu cântaro, foi a cidade e disse aqueles homens: Vinde comigo e vede um homem que me disse tudo quanto tenho feito. Será este, porventura, o Cristo? Saíram, pois, da cidade e vieram ter com de. (Jo 4.28-30)


O visitante é sempre impactado pela adoração da congregação, pela oração que fazemos por ele e pelo ambiente entre os irmãos.
Muitos não são confrontadores nem intelectuais, também não possuem um testemunho dramático para contar nem são particularmente amigáveis, entretanto, podem convidar pessoas para virem aos cultos.
Podemos convidar pessoas para participarem do encontro, da célula e da reunião de ce¬lebração.


7• O ESTILO DO SERVIÇO DE DORCAS (Atos 9)
Dorcas era uma evangelista de serviço. Sua estratégia não era exatamente de palavras, mas de ação. Em lemos a respeito de seus atos de bondade. Ela costurava roupas para os pobres e as distribuía em nome de Jesus.
Havia em Jope uma discípula por nome Tabita, nome este que, traduzido, quer dizer Dorcas; era ela notável pelas boas obras e esmolas que fazia. (At. 9.36)

Falamos de sete estilos de evangelismo. Com qual deles você se identifica?
-É possível que você tenha mais de um estilo, o que significa que Deus lhe tem dado muitas ferramentas úteis para o evangelismo.
-Não há nenhum membro da igreja que não possua pelo menos um desses estilos.

Portanto, somos todos indesculpáveis. Vamos Sair para a colheita, pois a seara já esta madura.

Nenhum comentário:

Postar um comentário